Translate

26 de agosto de 2009

Domingão pelo Igarapé

Imagem do Balneário Antartica, de um ambiente alagável, bem adaptado

Ai uma figueira mata pau que matou o pau e só mostrou o vazio

Essa ai é um destes "cipós cabeludos", uma pteridófita epífita bem bonita


Na volta, encontramos por infelicidade este furão atropelado. Com o aumento do movimento nas estradas, aumentam também os casos de bichos atropelados.
--> Leia mais...

16 de agosto de 2009

Unidade de Conservação do Rio Crôa/Valparaíso será gerenciado pelo governo estadual





Sandra Assunção
(Agência de Notícias do Acre)

14-Ago-2009
Na área de 106 mil hectares vivem cerca de mil famílias, que sobrevivem basicamente da agricultura e do artesanato

croa_foto_gleilson_miranda_02.jpg
Moradores do Rio Crôa comemoram criação da unidade (Foto: Gleilson Miranda/Secom)
croa_foto_gleilson_miranda_03.jpg
Artesanato com fibra de cipó é uma das fontes de renda (Foto: Gleilson Miranda/Secom)
O Rio Crôa fica a uma hora de Cruzeiro do Sul pela BR 364 e o Valparaíso é um dos afluentes do Rio Juruá. Na área dos dois rios está sendo criada uma Unidade de Conservação que será gerenciada pelo governo do Estado, via secretaria de Meio Ambiente - SEMA. Vivem na área de 106 mil hectares, cerca de mil famílias, que sobrevivem basicamente da agricultura e do artesanato.

O secretário estadual de Meio Ambiente, Eufran Amaral, explica que as Consultas Públicas já foram feitas e o processo agora está no estágio de regularização fundiária por parte do Incra. Há terras que precisam ser arrecadadas, outras desapropriadas. O secretário conta que o governo entrou de forma contundente na criação da unidade porque a região é um mosaico: no beiradão dos rios o potencial é de produção e dentro da área, o potencial é de conservação, garantindo o modo de vida tradicional dos moradores. "O Incra fica responsável pelo beiradão com um Assentamento agroextrativista de várzea e o governo do Estado, por meio da SEMA é responsável pela gestão da Reserva de Desenvolvimento Sustentável, que permite o uso racional da floresta. Será uma gestão territoral integrada, Ibama, Incra, Sema", ressalta Eufran.

Outra vantagem para os moradores da região com a criação da Unidade é com relação à regularização fundiária. Hoje os moradores são posseiros, com a criação da unidade passam a ter o título de concessão real de uso da terra, que permite o acesso a crédito e todos os programas disponíveis.

Francisca Teixeira, presidente da Associação das Mulheres Artesãs do Rio Crôa, diz que a expectativa dos moradores é grande com relação a criação da unidade de conservação. "Hoje temos caçadas com cachorro e desmate. Com a Reserva, vamos ter mais fiscalização e acesso a recursos e energia elétrica. Vamos ter a certeza de que o Rio Crôa vai continuar sendo um dos lugares mais bonitos do Juruá. Ainda nem somos reserva e a SEMA oferece constantes cursos e capacitações importantes na nossa organização e produçaõ ", relata a moradora.

O Rio Crôa, tem água escuras e espelhadas e abriga vitórias régias e a Associação de Mulheres Artesãs produz peças de fibras e cipós que já são vendidas em grandes redes de lojas de São Paulo.

Hélio Pinho da associação dos produtores do Rio Valparaíso, diz que ainda há muita caça e peixes na área e a criação da Unidade de Conservação vai garantir a preservação das riquezas naturais com desenvolvimento. "Vamos ter nosso peixe, a caça e o roçado. E com os documentos vamos receber créditos moradia, instalação e investimento do Incra, coisa que agora é impossível", relata o agricultor do Alto Juruá.

--> Leia mais...

14 de agosto de 2009

Governo do Acre lança projeto de incentivo à preservação da floresta

Governo do Acre lança projeto de incentivo à preservação da floresta
- 13/08/2009

Local: São Paulo - SP
Fonte: Valor Econômico
Link: http://www.valoronline.com.br/


O governo do Acre está lançando um projeto de incentivo para quem preserva a floresta, quer viver dela ou pretende regenerar áreas desmatadas. A ideia é criar uma espécie de bolsa-floresta com a condição que as famílias não desmatem. Os recursos viriam do mercado internacional de carbono ou doações voluntárias de países preocupados em evitar o desmatamento da Amazônia.

O projeto de incentivo aos serviços ambientais da floresta foi elaborado dentro do mecanismo de REDD - Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação - que vem sendo discutido nas reuniões internacionais por um novo acordo climático. A preservação da Amazônia é fundamental para o equilíbrio climático mundial. A moeda do Acre é exibir um Estado que ainda tem 88% de cobertura vegetal original e em 2008 registrou a menor taxa de desmatamento dos últimos dez anos.

A meta é reduzir a emissão do Estado em 60 milhões de toneladas de CO2 que deixarão de ser lançadas à atmosfera em 15 anos. A estimativa é que o esforço signifique R$ 400 milhões no período para dar a quem vive na floresta opções de renda que ajudem a manter as árvores em pé. "É um plano de REDD com inclusão sócio-produtiva" diz o secretário do Meio Ambiente do Acre, Eufram Amaral. "A proposta é que todos que moram na zona rural sejam remunerados pela produção sustentável".

O Acre hoje tem 655 mil habitantes, sendo que 70% vivem na área urbana. Dos 200 mil residentes de área rural, a quem o plano pretende contemplar, 100 mil são produtores assentados pelo Incra. É ali que a tendência de desmatar tem sido mais forte - estas áreas respondem por 60% do desmatamento anual. O plano do governo é começar a trabalhar em sete áreas-piloto mais suscetíveis à pressão do desmatamento. Estão concentradas ao longo da BR-364, a rodovia que liga Rio Branco a Cruzeiro do Sul, diz Amaral. Isto significa cerca de metade do território do Estado, onde vivem entre 30% a 35% dos acreanos.

O primeiro passo será mapear com precisão o que existe em cada propriedade, aldeia ou comunidade extrativista - quanto está desmatado ou quanto ainda existe de mata. Há dois anos o Acre compra imagens da empresa francesa Spot, que tornam possível enxergar quantas e quais árvores existem em uma escala de quatro metros quadrados.

O Estado da "florestania", o conceito de desenvolver com e pela floresta, começou a trabalhar em seu Zoneamento Econômico-Ecológico em 2001. O Acre tem mapeado cada região e definiu qual a vocação da área. O ZEE virou lei em 2007. Isto torna mais fácil tornar concreto um projeto de REDD estadual. Neste sentido também o Mato Grosso está trabalhando e o Amazonas tem uma pequena região operando num sistema de REDD.A intenção é remunerar pelos serviços ambientais da floresta, um leque que engloba o equilíbrio climático e a manutenção da biodiversidade, com sequestro de carbono e fornecimento de água.

Na semana que vem, o governo do Acre entrará com um pedido de recursos dentro do Fundo Amazônia, que tem dinheiro da Noruega e é administrado pelo BNDES. O pedido, de R$ 20 milhões, será para estruturar um fundo próprio, montar a estrutura institucional e monitorar o desmatamento. Outra fonte de recursos está sendo negociada com a agência de cooperação alemã GTZ e o banco KfW. O fundo seria gerido por um conselho misto com representantes do Estado e da sociedade.

"Eles estão no caminho certo", avalia o pesquisador do Imazon Adalberto Veríssimo. "Os recursos têm que chegar para as pessoas que tomam conta da floresta de uma forma direta e simples, talvez com algo parecido ao cartão utilizado no Bolsa Família", diz. "O problema é que já se perdeu muito tempo com esta conversa de encontrar formas de valorizar a floresta para mantê-la em pé", continua. "O Brasil precisa avançar nesta discussão e ter, no mínimo, uma política de REDD, de desmatamento evitado."

O curioso é que o mecanismo não tem, ainda, definição de como vai funcionar - é um dos temas-chave da discussão internacional por um acordo climático a ser fechado em dezembro, em Copenhague. Os Estados amazônicos estão articulados em uma força-tarefa para trabalhar neste vácuo e têm pressionado o governo federal para que defina algo rápido.

O debate sobre REDD aconteceu ontem em seminário em Rio Branco, foi assistido por 150 pessoas entre seringueiros, agricultores, pesquisadores e lideranças indígenas. O evento, realizado pelo Fórum Amazônia Sustentável e pelo governo do Estado, continua hoje.

--> Leia mais...

6 de agosto de 2009

Twitter sob ataque

Está acontecendo hoje um ataque de hackers contra o Twitter, DDoS ataque de “negação de serviço” (Distributed Denial of Service). Não estou conseguindo atualizar nada por lá.
--> Leia mais...

5 de agosto de 2009

INTERNACIONAL CAMPEÃO ! SURUGA BANK CUP


NA TERRA DO SOL NASCENTE:

"OLHOS ONDE SURGE O AMANHÃ RADIOSO DE LUZ, VARONIL

SEGUE TUA SENDA DE VITÓRIA,

COLORADO DAS GLÓRIAS, ORGULHO DO BRASIL !!"


VALEU ANDREZINHO!

VALEU MICHEL ALVES!

VAMOS TRAZER PRA Cá ESTE FUTEBOL PARA SERMOS CAMPEÕES DO BRASILEIRÃO!!!

VAMO DE NOVO PRO JAPÃO !!!



--> Leia mais...

Blogs Favoritos