Translate

9 de janeiro de 2009

O Acre por Um Fio - Ou, a nova Internet do Alto Juruá

Os leitores aqui acompanham desde a minha chegada por estas paragens, minha luta para obter um serviço de internet de qualidade. Pra contextualizar, àqueles que não conhecem a realidade aqui em Cruzeiro do Sul, Acre, extremo ocidente amazônico, quase Andes, vivemos em uma cidade aonde a energia tem que ser produzida aqui mesmo, por meio de geradores a Diesel. A Telefonia é toda por satélite. Ou seja, não existiam ligações físicas entre nós aqui e Rio Branco, capital do Acre. Quando falo em ligações físicas, me refiro às de telecomunicações. Mesmo a Internet, até dezembro do ano passado, era toda por satélite e redistribuída na cidade por meio de Internet via Rádio. Mesmo a ligação física pela estrada é sazonal: somente enquanto aqui na amazônia é verão (inverno no resto do país), quando seca a estrada e pode-se transitar. O resto do ano: inverno aqui e verão nos estados extra-amazônicos, a estrada fica fechada, intransitável, nem mesmo para carros tracionados, só mesmo se forem carros anfíbios.

De ponta a ponta, entre os dois extremos do canto mais extremo do nosso país continental, corre um fio, um único fio, ligando Cruzeiro do Sul a Rio Branco: o Acre por um fio.

Pois é, mas não existia. Agora existe! A primeira ligação efetivamente física, de telecomunicações, foi implantada de Rio Branco a Cruzeiro do Sul, por meio de Cabos de Fibra óptica. Bah! É a um salto rumo ao futuro. Comparativamente, é como se estivéssemos vivendo agora no século XXI, de fato! Antes quando conectava, era ou via rádio (com 15kbps, no máximo), ou modem telefônico (1,2kpbs - ridículo), ou modem de celular (até 8kbps). Bem isso agora mudou, drasticamente, com a Internet Banda Larga, total novidade na cidade, a velocidade é de até 105kbps de download efetivo !!! Não consigo nem pensar em uma metáfora ou comparação à altura...



Assim, pela estrada que na maior parte do ano só passam os animais da floresta e muita água e barro, está lá passando, solitariamente, o cabo de fibra óptica (3). A foto é no trecho entre Tarauacá e o Rio Lagoinha, uma estrada asfaltada já, muito boa. Mas para o cabo chegar alí ele necessariamente passou pelo pior trecho, entre Senna e Feijó, lar do barro tabatinga, que até na pronúncia, pega.

O Cabo é bem simples, como dá pra ver no (1), composto de vários pares de cabinhos circundando um central grosso, de um material muito forte (Kevlar?), praticamente indestrutível (tem que ser, pois em vários trechos da estrada, o cabo passa por baixo de árvores). Cada par de cabinhos tem um amarelo e um verde: Tx e Rx (transmissão e recepção de dados).

E pensar que novidade em outras regiões do país é internet pela tomada de eletricidade! Mas, sem reclamar, estou MUITO satisfeito!

1 comentários:

Anônimo disse...

Mui Bien
www.ircoffe.com

Blogs Favoritos